segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Eu e o Tempo

Não faço mais planos nem promessas pro novo ano. Os planos mudam, as promessas se quebram, e quando não, são esquecidas com o tempo. Aprendi que ele, o tempo, é temperamental, relativo e cheio de vontades. E eu, assim como ele, sou mais instável que uma montanha-russa - quanto mais ele se arrasta, mais eu passo... Tudo passa! É para isso que eu vivo: para chegar até o topo da montanha e cair vertiginosamente na esperança de subir mais uma vez, para presenciar meus “Nãos” transformando-se em “Sins” e ver meus medos sentindo medo de mim. 

{Texto dedicado aos 'Nãos' que já caíram, e a todos os outros que estão prestes a desmoronar.}

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Ah, os nãos... Sinto que 2014 vai dar alguns tapas nas nossas caras, Natascha. Sinto nos meus pulmões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 2014, o ano do Corredor Polonês. #absurdo isso, Ju!

      Excluir